sábado, 22 de setembro de 2007

Vento Solar

E disseram que até mesmo o vento
De revolta, deu a volta
E foi-se desse lugar
Deixando todos ao império do Sol
Sol fustigante
Dia fatigante
Dizem que faltou humildade à umidade
Que de orgulho também partiu
Nesse vale de ar quente e seco
Somente o sol é soberano
Sol sozinho, sem nuvens
Sol a todos queimando
Gotas caem de sua coroa solar
focos de fogo em todo lugar
Fogo forte que queima flores e cores
Azul no céu? Cinza! Névoa seca
Verde? Agora é uma cor que não tem nome
Já queimados e rubros
Condenados dessa Inquisição da natureza,
Resta-nos esperar
                                          E torcer para que chova em Outubro.

Nenhum comentário: