sexta-feira, 2 de abril de 2010

Motivo

Não houve arrependimento
Como se tivesse errado o rumo
E sofresse pela decisão.

Não houve pena
Como se houvesse injustiça,
Ilegalidade no julgamento.

Não houve solidão
Como se precisasse partilhar a glória
E não se bastasse em sua perfeição.

Não houve desespero
Como se tudo tivesse dado errado
E fosse essa a última oportunidade
Para redimir o pecador.

Houve sim, desde a eternidade,
Magnificente e sublime amor
Insondável mistério da vida
Essência pura e conhecida
Do nosso único Salvador!

Um comentário:

Washington disse...

Rodrigo, você sabe tecer loas ao Salvador com a intenção pura e lídima de quem deixou ser capturado por Seu laço eterno de amor. Sua poesia mística celebra o maior dos amores: o amor pelo Criador. É um deleite poder apreciar em seu texto aquela força a nos dizer do que o amor é capaz. Obrigado Digo.