sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Roda Mundo (3): a semana contada em voltas


Domingos têm vocação de serem pacatos. Não este. O primeiro dia da semana já começou acelerado, e destruído. A vida teceu de ironia sarcástica a história de Paul Walker, celebridade de Velozes e Furiosos, morto em acidente de carro. A realidade é bem diferente dos drifts e cavalos de pau da tela. Na vida real tem muro e gasolina que inflama.

No Brasil real tem gasolina que sobe. E sobe tarde, pois o déficit da conta-petróleo já atingiu o histórico nível de 12,7 bilhões nesse ano. Mas se aumentasse a gasolina antes, a inflação não daria trégua ao governo, e ano que vem tem eleições, sabe como é... Mas o resultado do PIB do terceiro trimestre deu conta do recado: recessão. Isso mesmo, o Brasil decresceu economicamente nos três últimos meses. A corda apertou no pescoço do Mantega. Será que algum caseiro irá delatá-lo para apressar o processo?

O caseiro delatou Palocci e suas festas prostituídas do poder. Festas organizadas por uma tal de Jeany Mary Corner, cafetina famosa no submundo da política em Brasília. Pois Mary Corner foi presa, mas todos só tem olhos para uma coisa: sua agenda. Quem terá contratado os serviços da madame? Suspeita-se que muita gente irá se sujar. Mulheres revelando segredos de alcovas. Isso não dá certo.

Dava certo só no Lulu, o aplicativo da moda. Era a vez do homem-objeto ser avaliado pelas mulheres. Segredos íntimos, ofensas difamantes. Prosperará a retaliação masculina do Tubby, ou os homens renunciarão ao intento vingativo?

Um homem renunciou. E esse foi José Genoíno, deputado federal, ex-presidente petista. Renunciou ao mandato parlamentar. Não quis inscrever em sua ilibada biografia a expressão “cassado”. Apenas preso, mas preso político, e com dignidade. Por isso, após tentar manobras para evitar a cassação, tentar adiar a aprovação do voto aberto, e dar entrada em pedido de aposentadoria, tudo isso dignamente, Genoíno e sua turma afinal desistiram. Fim político que veio tarde.

Um fim político veio cedo. Marcelo Déda, governador de Sergipe, morreu de câncer. O fenômeno político estadual deixou a vida nessa semana; semana de mortes inusitadas.

Morreu enfim Nelson Mandela, o Madiba. Símbolo de uma geração, imagem de uma conquista, mito de um país. Não foi um líder dos negros sul-africanos. Foi um líder negro de toda a África do Sul. Carisma e liderança o acompanharam até o fim. O luto por sua morte é mundial. Ninguém pode roubar-lhe a cena final.

Com exceção da Copa do Mundo. O grande sorteio dos grupos. O grande evento na Costa do Sauípe. Brasil, Croácia, México e Camarões. Grupo mediano, poderia ser pior, como o da Espanha, mas poderia ser melhor, como o da Argentina.

Resta saber se jogará algum mexicano mutante e com superpoderes. A carga radioativa roubada de um caminhão no México pode ter contaminado alguns no caminho... 

Nenhum comentário: